Edição impressaEditorial

Setembro de 2020

É o mês histórico por tanto que nos oportunizam o 7 e o 20 de setembro, o mês da primavera, o mês amarelo de prevenção ao suicídio, mas neste ano motivado pelo coronavírus ele está sendo diferente. Silenciosamente colocou limites e atingiu o mundo. É um momento de repensar e avaliar o que se passou até o presente. A Independência e o Dia do Gaúcho são dois eventos que empolgavam a Região Central pelos desfiles cívicos militares aplaudidos não só pelas crianças, mas também pelos adultos, quem não sentiu falta da indumentária de cada segmento? Das bandas com suas músicas na Avenida? Os festejos da semana nos CTG’s? E cada gaúcho se preparava para o desfile do dia 20 e com isso envolvendo o setor comercial nos segmentos atendendo a demanda do consumidor. E, além disso, até o presente não se tem uma definição da volta às aulas, nos cursos superiores quase a totalidade tem aulas remotas. É uma mudança na estrutura familiar, tanto é que o aumento de vendas dos mercados foi além do esperado e até os preços não respeitaram a pandemia em alguns produtos. E agora precisamos nos preparar para o final de ano, sinaliza que não teremos a volta dos eventos presenciais que movimentam todos os setores, dos feriados em que as pessoas pela prevenção acabam não viajando e como serão as férias e a temporada de final de ano? Por aqui teremos no final de semana as comemorações pelo Dia do Gaúcho de forma remota, no final do mês a Feira do Livro e a expectativa sobre como será a Romaria da Medianeira, mas também modificada tenho certeza disso, mas aí está o crescimento das redes sociais num todo. Vamos aguardar o final do ano para saber como será o comportamento de agora em diante.
Mas o principal é que a partir de ontem já sabemos quem são os candidatos ao executivo e legislativo, espero que nas convenções tenham feito a escolha certa e que os escolhidos participem do projeto eleitoral com amor, dedicação, ética e transparência. E aos que forem eleitos que sigam esses preceitos também, é a mudança na política que precisamos, pois até o presente, 2020, a começar por Brasília não nos partidos e sim os que ocupam as siglas para se beneficiar deixaram muito a desejar. Milhares de pessoas não têm motivação para ir votar, apenas fazem pelo dever. E nesta campanha que vai até dia 15 de novembro acompanhe os candidatos, pergunte, contabilize o passado e o presente de cada um e analise se ele tem um futuro promissor na escolha política que fez. Acabou o tempo do amadorismo, precisamos hoje de técnicos, empreendedores, visionários para o futuro que tanto almejamos. Seguir bons exemplos e não o que assistimos até o presente, principalmente em relação a corrupção e ao ganho fácil. Encerramos esse editorial de hoje e que o Espírito Santo encha os corações de Vossos fiéis e acendei neles o fogo do Vosso amor, enviai o Espírito Santo e tudo será recriado. RENOVEIS A FACE DA TERRA. Acho que estamos vivendo a renovação para um novo mundo e a ele vamos nos adequar. O Jornal A Cidade diz um possível até breve, mas estamos diariamente com uma página em nosso site.

Comment here