Editorial

Editorial – Edição 1318

Esta é minha opinião. Baseado no percurso que vivemos e há mais de 22 anos editando o Jornal A Cidade, mas lá por 1974 tive o privilégio de conviver com o Jornal A Razão e A Platéia, o primeiro fechou e o segundo transformou-se. Levo em conta também nos últimos dez anos jornais centenários deixaram de circular e outros que ainda circulam aqui no estado a redução de anunciantes impressiona para quem conhece a estrutura e o que precisa para editar um jornal diário ou semanal. Foi a revolução tecnológica do século passado talvez, mas principalmente há tão pouco tempo a tecnologia implantada no mundo com rapidez e as redes sociais que estão dominando com informações instantâneas em que até crianças do jardim de infância já estão acessando a internet como brincadeira ou por determinação das escolas. E a nova geração não costuma ler livros como antigamente e nem jornais, tudo é via redes sociais. Constatam e esquecem com facilidade, não têm como armazenar tanto conteúdo. Diferente do jornal que a pessoa lê quando e onde quiser ou carrega junto. E os mais antigos têm o hábito de ler o seu jornal bem cedo.
Sou consciente do momento atual, recordo-me quando iniciei essa caminhada quantos empregos geramos, mas o gratificante é que mantemos até hoje a ética, a transparência e a pauta de valorizar o que é nosso e o que é daqui. Quantas portas se abriram, nos deram e nos dão suporte para estarmos em mais uma edição neste mês temido que é o agosto fazendo um relato sobre o que passou e sobre o que virá pela frente. Apesar dos apesares a nossa gratidão a todos aqueles que valorizam o nosso trabalho. É um dever como jornalista bem informar, mas é necessário avaliar os custos e as dificuldades enfrentadas e por incrível que pareça o mais grave de tudo isso além da parte financeira é a carência da mão de obra no segmento, não se faz mais profissionais como antigamente, eles têm formação e outra maneira de trabalhar e agir.
Jornal A Cidade vem dizer hoje um até breve, mas eu diria mais, coloco um desafio a tantos jovens jornalistas que carregam consigo os sonhos de ser vitrine nacional, mas para chegar lá não é tão fácil. Tem muito buraco no caminho para decolar e para aqueles que tem condições, coragem e persistência assumam, criem um veículo de comunicação. Quer vir conversar comigo? Estou à disposição e tenho a lhe oferecer principalmente o prestígio apesar de ser pequeno do Jornal A Cidade que sempre pautou na construção sem críticas e com opiniões positivas pelo bem de nosso município. Não estou saindo de cena, tenho amor pelo que faço, por isso criamos há mais de quatro meses uma página diária em nosso site onde estamos abordando assuntos de interesse coletivo e valorizando os anunciantes. Reconheço também o crescimento não só das redes sociais, mas para alguns muito mais do rádio, o quanto as pessoas costumam ouvir esse meio que sempre tem um assunto jornalístico de seu interesse. Esta caminhada que faço na Rádio Imembuí há mais de 19 anos com citações diárias dos anunciantes e 2 horas nos sábados das 10h às 12h sempre na espera de mudanças e assim que convier que possa resgatar o que se fazia no passado e poderemos estar voltando com o jornal impresso. Não me abandone, estou aqui há mais de 50 anos, preciso retribuir com gratidão o que todo santa-mariense ou forasteiro me concedeu em oportunidades. Me acompanhe sempre diariamente no site www.jornalacidade.com ou no sábado na Rádio Imembuí.

Comment here