Edição impressa

As crianças

No passado famílias numerosas, com dificuldades financeiras, pouca estrutura principalmente no interior em que tudo era distante, recursos também com dificuldades, hospitais e médicos distantes, mas nem assim os pais perderam os ensinamentos do passado e a essência do aprendizado a começar quando pequenos. O respeito e a disciplina estavam acima de tudo e dessas famílias que ainda encontramos cidadãos em todas as atividades desse país formados desta maneira e não perderam os ensinamentos do passado. A pandemia que veio para pôr limites assustou a todos, conseguiu fazer com que as pequenas famílias de hoje se mantivessem reunidas nas suas casas. Antes ninguém tinha tempo agora ele foi encontrado e o país precisa da formação de uma nova sociedade, à moda antiga. Quem não acompanha com facilidade hoje as notícias do país na parte da criminalidade, é assustador, presídios lotados, os jovens se deixam envolver pelo ganho fácil, ouvem os amigos e dispensam os ensinamentos familiares e o resultado será único como conhecemos.

Vinci, filha de Vinicius e Michele e Daphne, filha de Marcelo e Rose Roveda

Precisamos ter esperança de que a geração de hoje que vive uma revolução tecnológica até por demais, pois, pouco se lê, pouco se fala, tudo é por meio de aplicativo ou outros meios de comunicação, estamos no caminho certo? Sabemos também que jamais voltaremos ao que fomos até o início deste ano, tanta bonança, a transformação chegou e como já disse é uma verdadeira guerra de mudanças e por isso que o novo coronavírus deixou o recado para o maior convívio e entendimento com diálogo até na conjuntura política, que os desencontros e os desmandos são abusos nacionais, fala-se em crise, mas ninguém toca no assunto de mexer nos gastos dos três poderes. Por isso, que a criança que faz juramento ainda no batizado deve ser o instrumento para as mudanças comportamentais do país.

Joni Borsatto Luttjohann e Gisele Winkelmann com seus quatro filhos Joni Winkelmann Luttjohann, Alessandra, João Henrique e Maria Antonia e abaixo a recém-nascida Ana Catarina


Dia da Criança: vem de um relato histórico internacional, mas sempre respaldado pela UNICEF. E no Brasil um decreto de 5 de novembro de 1924 instituiu o dia 12 de outubro como Dia da Criança e a exemplo do dia dos pais, das mães, foi criada a semana da criança para atrair consumidores igual ao dia dos namorados.
As crianças: como é bom ver a presença dos pais no nascimento, depois no lar, no batismo, na creche, na escola, integrados na comunidade e chegando a um certo momento em que muitas vezes os filhos seguem rumos diferentes dos ensinamentos. A formação desde criança é de suma importância, pois assim dará um futuro promissor pela frente. E quando olharmos eles numa creche, num grupo de danças, numa escola, no aniversário, em qualquer parte veremos uma alegria contagiante. Neste ano sentimos falta, os próprios professores de toda rede de ensino sentiram a ausência dos pequenos. Que nesse dia mesmo mantendo o distanciamento já que segunda ainda estaremos na bandeira vermelhas procurem encontrar outros meios para comemorar a data com seu filho. E seja qual for seu segmento de fé, comece cedo, reze e leve a criança consigo, ela vai acostumar.

Pagina 11.pmd

Comment here